Author: portugues

22 dez Não é o mais seguro, mas todo mundo usa – WhatsApp

Agradecemos a Gabriela Ivens, bolsista da WITNESS-Mozilla, por contribuir com a seção sobre backups na nuvem e a todos os parceiros da WITNESS e defensores dos direitos humanos que compartilharam experiências de uso do WhatsApp que foram fonte deste artigo.  “WhatsApp, WhatsApp? ”, Ativistas e jornalistas de todo o mundo usam o WhatsApp para se  comunicar e compartilhar mídia e informações relacionadas aos direitos humanos.  Embora o WhatsApp não seja, necessariamente, a opção mais segura, achamos extremamente importante compartilhar dicas de redução de danos para esse aplicativo. O WhatsApp é incrivelmente popular, tem criptografia de ponta a ponta, e, às vezes, é até mesmo gratuito ou muito barato nos pacotes de dados móveis oferecidos pelas operadoras de telefonia em muitos países. Mas o WhatsApp não tem alguns recursos importantes, conforme discutiremos abaixo ─ e, se você não estiver fazendo o uso correto deste app, pode estar colocando a si mesmo e aos outros em risco. Você ainda usa o WhatsApp? Então deve usá-lo da forma mais segura possível. O WhatsApp tem uma criptografia de ponta a ponta ativa para indivíduos e grupos. Isso significa que o conteúdo das mensagens só pode ser lido por quem os escreve e por quem os recebe e não por qualquer intermediário – nem mesmo por qualquer agente público ou privado, que possa fazer pedido legal ao WhatsApp para ter acesso aos seus dados. No entanto, existem muitos meios dessa criptografia falhar. Segurança é um problema da comunidade Em primeiro lugar, independente do quanto você cuide da sua segurança, você também está confiando na segurança

READ MORE

19 nov 3 dicas para aumentar o envolvimento do público durante as transmissões ao vivo no Facebook

Transmissão ao vivo é um dos formatos de conteúdos que mais gera engajamento na Internet. Parece que é só receber a notificação dizendo que alguém está ao vivo para nascer aquela vontade quase incontrolável de clicar na notificação e conseguir acompanhar uma história, no imediato momento em que ela acontece. O MobilizaJá (Mobil-Eyes-Us, em inglês) explora esse potencial de mobilização e participação que as transmissões ao vivo possuem. A partir das ações individuais e coletivas, que podem ser tomadas pelo público, esta iniciativa pesquisa, estimula e apoia transmissões ao vivo de mídias comunitárias no Brasil e nos Estados Unidos. O objetivo é sempre tornar as pessoas partes ativas das transmissões que assistem, permitindo que elas demonstrarem solidariedade e tomem ações concretas, como foi feito, por exemplo, no projeto piloto durante as Olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro. Além disso, nós acompanhamos, pelo menos, 18 transmissões ao vivo feitas por ativistas do Rio de Janeiro e de favelas de outras cidades do Brasil nos protestos, marchas e até streamings com evidências sobre violações de direitos. Com base nas experimentações que fizemos no aplicativo Mobil-Eyes-Us, compartilharemos uma série de dicas e boas práticas que funcionaram e possuem boas possibilidades de gerar engajamento. Neste primeiro post, iremos abordar a preparação do streaming, o momento anterior à transmissão em si. Então, chega de história e vamos às dicas:   DICA 1 – Defina com antecedência o horário de sua transmissão. Se você está planejando transmitir uma sessão previamente agendada, separe um tempo para se planejar e permitir também que seu público se planeje

READ MORE