violência policial Tag

26 mar Rio de Janeiro: A rotina de violência policial e os vídeos de celular

Segunda-feira (25) mais um vídeo de violência policial viralizou nas redes sociais. Mais uma vez a polícia militar do Rio de Janeiro encenando seu papel no espetáculo da violência diária Um policial do 17º BPM aparece em um vídeo de celular ameaçando moradores e disparando para o alto, na localidade conhecida como Vila Joaniza, Ilha do Governador – zona norte do Rio. As imagens são de sábado passado (23), ao fim de uma operação. Moradores alegaram no momento que um dos baleados era um trabalhador inocente, sem envolvimento com o tráfico, e portanto exigiam que o socorro fosse chamado prontamente. Diante da indiferença policial, moradores se manifestaram contra os policiais. Um dos policiais é registrado em vídeo dizendo: “Fica de graça mesmo, filho da p*. Fica de graça. Tá pensando o quê? Acabou a bagunça nessa p*. Vai tomar no c*”, depois de atirar para o alto. O policial é flagrado subindo no estribo da viatura policial, efetuando um disparo de fuzil com apenas uma das mãos, colocando a vida de dezenas de inocentes e crianças em perigo e ainda finaliza com uma ameaça: “Você vai ser o próximo”. Banal X Brutal? O massacre diário a quem vêm sendo submetidos os moradores de favelas do Rio de Janeiro, no meio do fogo cruzado da dita “guerra às drogas” parece conformar um círculo vicioso que não tem fim. Em geral, a mesma fórmula: tipo suspeito, auto de resistência, mais uma morte justificada pela corporação policial e pela imprensa, mais alguns vídeos nas redes sociais. E amanhã é outro dia, e já teremos

READ MORE

19 jul SP: Cracolândia: A ordem é “limpar” geral

Movimentos locais denunciam a ação da GCM e polícia militar de incitar usuários e moradores da região para justificar a entrada da ação policial. Organizações de direitos humanos que trabalham pela redução de danos na Cracolândia relataram que foram informados que a ação de hoje será pior que a ação de 2017. Quando houve muita repressão, detenções e violações de direitos. Veja mais aqui. Profissionais de saúde tentaram chegar próximo ao fluxo (região onde ficam os usuários), mas informaram que a polícia está bloqueando os acessos à região. E temem por violências que estejam acontecendo sem o monitoramento de organizações de defesas de direitos. Há relatos de que um homem levou choques no rosto, além de diversas agressões e ataques de armamento não letal contra as pessoas. Um homem teria filmado a violência da GCMno e teve o celular apreendido e arquivos deletados. Raphael Escobar ativista da região declarou em matéria do UOL “A prefeitura limpa a praça. Quando eles [os usuários] voltam, tem um cordão na polícia revistando o pessoal. É nessa hora que colchão, lona, barraca, caixa de frutas, isopor são retirados. Muitas vezes começa o conflito daí”.  

READ MORE

04 fev Mais um carnaval e a MORTE desfila na avenida do Complexo do Alemão.

Mais uma vez nossos parceiros e amigos do Coletivo Papo Reto foram citados por policiais em operação na favela. Dessa vez porque algum morador que acompanha os canais de comunicação do grupo estava filmando com o celular a presença da polícia Além de obrigar o autor do vídeo a apagá-lo, o policial ainda perguntou se ia enviar pra os integrantes do coletivo, citando dois nomes, obviamente em tom de ameaça de morte. Nesta última semana as operações policiais se intensificaram na região resultando em uma semana inteira de confrontos, policiais armando barricadas com sacos de areia nos becos, intimidando todo mundo e um cenário de guerra de pano de fundo. Essa maneira de intimidar moradores e comunicadores infelizmente tem se tornado constante no Complexo do Alemão. E já foi amplamente denunciada por organismos de direitos humanos, imprensa, veículos internacionais inclusive fizeram matérias extensas sobre os riscos que correm esses comunicadores, como o New York Times, por exemplo. Dentro da rotina de guerra que vivem os moradores, as câmeras se tornaram dos poucos recursos restantes para denunciar e visibilizar essa prática. E se a gente sabe alguma coisa sobre o que acontece no complexo, é graças a insistência e coragem que tem esses jovens para criar e apoiar redes de comunicação descentralizadas que vão alimentando diversos mapeamento de denúncias. Essa coragem é movida pelo sentimento latente de não suportar mais ser testemunha da morte. Não suportar mais ver seus vizinhos acharem que sofrer e ser humilhado pelo estado é parte da vida do negro e favelado no Rio de Janeiro. Não

READ MORE

10 set Cobrindo protestos com câmeras 360°

Sempre dizemos que a polícia se comporta diferente na frente das câmeras. Com a câmera 360°, que permite que você registre todos acontecimentos ao redor do equipamento, policiais violentos terão que tomar cuidado com o que fazem atrás das câmeras também. Mas quais são os riscos para ativistas?

READ MORE